O InfraMundo de Ivi

//

O InfraMundo de Ivi vai surgir no meio do caminho da sua viagem por Ivi, e quando aparecer você vai se deparar com um cenário, onde supostamente está uma porta para este desconhecido lugar.

Minhas inspirações deste lugar tem a ver com minhas muitas visitas à Península de Yucatán. Mais do que visitas as já famosas, e belíssimas, construções Maias, confesso que fui atrás de alguns segredos mitológicos, muitas vezes não acessíveis aos turistas. Também o local onde está foi inspirado em um local na Turquia, onde fui a trabalho conduzindo um grupo da minha empresa em 2013.

Estamos no meu blog de escritor, e não no meu blog sobre viagens. e aqui posso ir um pouco além, explicar sobre minhas pesquisas nas cavernas escondidas dentro das florestas.

Minha busca foi motivada por eventos ocorridos no ano de 2007, quando pesquisadores mexicanos foram em busca do que as histórias dos jesuítas espanhóis contavam a respeito de cavernas nas proximidades da cidade de Tahtzibichen, ao norte da península. As histórias contavam que os Maias possuíam um templo subterrâneo nesta região.

A expedição entrou em cavernas alagadas e mergulharam até quarenta e cinco metros para achar pilares, pedaços de esculturas e inscrições maias. Mas foi na parte não alagada dessa rede de cavernas que encontraram algo mais intrigante. Um complexo de templos enorme, com vias de concreto, uma pirâmide desmoronada e muitos ossos.

De fato na mitologia Maia existe um inframundo chamado de Xibalbá. E atualmente arqueólogos acreditam que esta caverna misteriosa é onde os maias acreditavam ser a porta para o inframundo.

Xibalbá

De acordo com o livro mitológico Maia, o Popol Vuh, o mundo do medo era dominado pelo Senhor da morte, Ah Puch. Todos que entrassem no inframundo eram obrigados a passar por câmaras de tortura, com muito sangue, facas, morcegos, escuridão, frio e jaguares.

O Popol Vuh também descreve as aventuras dos heróis gêmeos legendários, Hunahpú e Ixbalanqué. Tais aventuras consistiam em derrotar aos Senhores de Xibalbá, do mundo terrenal. Essa batalha e o mito em Xibalbá estão muito presentes na arte Maia.

Segundo a mitologia maia eram 13 os habitantes de Xibalbá:

1 – Hun-Camé: Junto com Vucub-Camé é um dos dois juízes do conselho, cujo papel é o de atribuir os seus poderes no señores de Xibalbá.

2 – Xiquiripat: Uma criatura de carácter demoníaco. Esta criatura era para os maias, a causadora dos derramamentos de sangue entre os homens.

3 – Kinich-ahau: É um dos deuses do sol, na mitologia maia. Assumia formas diferentes. De dia, era um pássaro de fogo; à noite, andava no submundo dos mortos, Xibalba, como um jaguar, felino temido e admirado pelos maias. Kinich-Ahau era um dos governadores do Xibalba.

Outros… Futuramente vou expandir a informação: 4) Vucub-Camé, 5) Chuchumaquic 6) Ahalpuh: 7) Ahalcaná: 8) Chamiabac: 9) Chamiaholom: 10) Quicxic: 11) Patán 12) Quicré: 13) Quicrixcac:

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Previous Story

Ava em As Crônicas de Ivi

Next Story

Ensinando seu filho a pescar

Latest from A Rainha e a Espada

error: Content is protected !!