Eterna Infância…

//

Todas as coisas evoluem, mas tenho a impressão de que a maioria das pessoas regride. O mundo está melhor tecnologicamente falando, bem pior humanamente percebido ao vivermos o dia a dia. Por esta razão resisto em acreditar em reencarnações pró melhorias constantes do espírito. Este assunto é um tanto polêmico, e vou deixa para aprofundar depois… e a conversa aqui não é está.

 

Outro dia, ao rever um antigo Atari, fiquei comovido e agora escrevo entre memórias. Do quão legal era atravessar a rua, gritar pelo nome do amigo, e o encaminhar para jogar vídeo game em nossa sala, colocando a prova quem era o melhor no Enduro ou no River Raid.

Hoje acertamos um confronto virtual por uma rede social, ou desafiamos um nickname que pode estar no Japão, na Rússia ou na lua… Não. Na lua não mora ninguém. E eu?

Eu tenho PS3 desde que lançou, mas não jogo mais tanto jogos como outrora. Adoro jogos de estratégia, principalmente aqueles que posso comandar exércitos antigos. É demais jogar contra vários inimigos de uma vez, montar uma muralha bem forte e impedir o avanço alheio.

Também…Tenho prazer em colecionar brinquedos. Quem admira minhas tralhas deve achar que não cresci. Na verdade me defino como um adulto que sobreviveu ao amadurecimento extremo. E estou certo que minha inspiração, minha criatividade reside nesta eterna infância que agora revivo… Sem nenhuma vergonha ao lado da minha filha.

Em parte são minhas ideias e sentimentos relacionados a pessoas muito importantes para mim, ou a coisas que me afetam além do que deveriam. Ou seja, é Intimo e Pessoal. No logo, o olho é da minha mulher.

Antes meu blog era fechado. Achava que minha opinião iria “causar” mas impressões. Hoje, parte dos antigos posts se encontram aqui neste site através das seções INTIMO E PESSOAL e TEXTOS ORIGINAIS.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Previous Story

Everwhere is Bad

Next Story

Bienal do Livro - Rio de Janeiro 2013

Latest from Editorial

Corra até Cansar…

Corra até Cansar… Nasci sem poder me exercitar, e tudo devido ao meu problema de coração.

Poesia para que?

Poesia para que? No meu antigo blog, eu gostava de escrever poesias. Davam-me prazer. Na nova

Meus 44 anos

Desde que aprendi a escrever, sempre tento dizer algo de relevante no dia do meu aniversário.

O Arco-íris

Quando eu era criança, eu jurava que no começo ou final de um arco-íris haveria de